ANO DE ELEIÇÃO: Vereadores retornam aos trabalhos com discussão acirrada

05/02/2016 - Gerais

Os vereadores Clodovil Domingues Aizza e Marcos Antonio Lopes, o Marquinho Advogado, protagonizaram na primeira sessão Legislativa Ordinária, realizada no último dia 01, último ano do mandato da atual legislatura, uma verdadeira discussão acirrada sobre a forma com que o atual prefeito, Gilberto Roza, vem administrando o Executivo Municipal. 
O primeiro a utilizar a Tribuna Legislativa no tempo regimental do expediente foi o vereador Clodovil Aizza, que entre os assuntos debatidos, disse embasado no projeto de Lei, em que a Prefeitura pediu autorização do Legislativo; para parcelar os pagamentos da contribuição patronal com o Fundo Municipal de Seguridade, que houve falta de gestão e falta de administração para prever que, com a queda de arrecadação se teria problemas para fechar as contas do ano. “Pedi um extrato para saber qual foi o empréstimo que a prefeitura fez com o Fundo de Seguridade Municipal, mas não tive resposta, até novembro sei que seria de mais de um milhão e cem mil reais, mas ainda teve dezembro, com salário e décimo terceiro o que deve ter elevado e muito esse valor”, disse o vereador, ao destacar que em sua opinião, faltou para o Governo Municipal, planejamento. “Se desde agosto deste ano se sabia que iria ser difícil, porque não se fez um planejamento para evitar esse problema?  isso é falta de administração”
Na sequência, o vereador Marquinho Advogado utilizou a Tribuna Legislativa durante o expediente e, entre outros assuntos, lembrar o vereador Clodovil Aizza que o Tribunal de Contas ,fez diversas reuniões com os prefeitos do Estado de São Paulo na cidade de Ibaté, a partir do mês de setembro de 2015, para discutir a atual situação política e econômica brasileira e orientar os administradores públicos municipais uma forma de cumprir suas obrigações patronais. “Não podemos aqui sair crucificando a Administração Municipal e principalmente, o prefeito, por conta da crise instalada nesse Pais, em virtude dos erros e da corrupção que está instalada no Governo Federal”, disse Marquinho, ao destacar que não se pode jogar esse ônus nas costas do atual prefeito.
Para concluir o seu raciocínio, o vereador Clodovil Aizza se escreveu para retornar a Tribuna Legislativa durante o período destinado aos lideres de partidos. 
Novamente no uso da palavra, entre outros assuntos, Clodovil voltou a falar que houve falta de gestão e falta de administração. “Se fala tanto em queda de arrecadação, mas se analisar o orçamento de 2014 e o orçamento de 2015, tivemos um aumento de 5% na arrecadação de um ano para outro, então; como se pode falar que faltou dinheiro, podemos falar que faltou planejamento, faltou administração”, disse o vereador, ao destacar que é preciso investir direito o que se arrecada.
Também novamente no uso da palavra, o vereador Marquinho Advogado comparou o aumento percentual da arrecadação municipal, com o aumento percentual do que é consumido pela prefeitura. “Não se pode vir aqui e querer colocar a culpa dos erros e da corrupção que está instalada no Governo Federal nas costas do prefeito. Veja o quanto aumentaram os combustíveis, os materiais de consumos e, principalmente, o aumento de salários aprovados por essa Casa aos funcionários, todos esses reajustes foram muito acima dos 5% de aumento na arrecadação”, disse Marquinho, ao voltar a falar que o problema está instalado em Brasília, onde a corrupção e os erros administrativos estão destruindo o Brasil.